domingo, 25 de fevereiro de 2007

Meu Dia de Hoje ou de Ontem

Bem, nada melhor que em pleno domingo sua cabeça esteja estourando de dor.
Quando se vive uma vida meio agitada, especialmente aos sábados, você não se dá conta das consequencias de tal atitude.
Pois é, minha cabeça dói, e tudo que me lembro agora é que fui ontem ao aniversario do meu primo, até então tudo parece muito normal, mesmo porque aniversario é sempre aniversário.
Bem , mas ao chegar já senti que aquilo não ia prestar, mas como estava com fome fiquei pra poder comer do churrasco. Comecei a beber, estava bebendo um bacardi meio esquisito, tinha gosto de campari, horrivel! O engraçado é que depois ele começou a ficar bom, bem depois, acho que umas sete doses depois.
E bem nessa hora mesmo que ele começou a ficar bom, ou eu, nao sei, rsrs, comecei a trocar ideia com uma das poucas meninas de cabeça boa que estava lá e até que conversamos muita coisa legal, especialmente sobre a parada da doença do meu avô e se nao me falha a memória o nome dela é Marisol, muito gente boa.
Minha cabeça logo depois disso começa a dar sinais de que já estava passado o limite, mas quis confundir minha cabeça e fiz um jogo com ela e diante daquela meninada toda eu fui permanecendo.
Foi quando lá por volta das seis e pouca o porcão, um amigo de uma amiga, me chama pra eu ir com ele buscar uma parada, eu que nao sou bobo, já sabia o quê era e fui, eu queria mesmo. Fomos eu, pocão, chocolate e mais um outro cara. Eu comprei uma bucha de beck brutal, eles compraram beck e um pouco do branco. Como sou um homem previnido sempre carrego na minha carteira um pouco de seda, nunca sei quando vai ser a proxima vez, daí fumamos e fumamos muito, e eles ainda iam cheirar, e lógico que me coloquei na reta, mesmo porque eles fumaram quase a metade da minha bucha.
Fomos pra um posto totalmente loucos e entramos no banheiro, dois em dois, cheiramos.
E já curtindo uma onda, dentro do carro, tudo maneiro, vai que cai a bomba....
O chocolate, que também se nomina como antonio, chegou e falou assim para mim " eu te conheço bastante meu irmao". Putz!!!! Nessa hora passa mil coisas na minha cabeça, nao sou um cara de um passado nem um presente admirável, e isso é um fato notório aqui na região, mas aí eu falei " ah é?!! E de onde você me conehce bastante???"
Ele então vai e solta o verbo " sou o pai da sua afilhada, a filha da flavia"
Caraca!!!!!! O que um beck não nos proporciona, momentos como esse nunca iriam acontecer, nunca mesmo. A flavia é uma amigona minha, muito amiga mesmo, e está grávida e o chocolate que é o pai, mas nao quer assumir e eu serei o padrinho da pentelha, então estava puto com esse cara, nao sabia quem ele era, mas queria muito conversar com ele, falar muitas coisas na cara dele saca, mas a flavia nao deixava.
Começamos entao a rasgaçao de sebo, falei muita coisa com ele, e ele ouviu tudo, me mostrou também seu ponto de vista e o pricipal, a versão dele da história. E mesmo muito louco, nós dois, eu vi que ele é um bom rapaz, gostei de verdade.
Voltamos pra festa, estava bombando, meninada louca, galera bebada, me sentia em casa praticamente, quando subimos as escadas nós quatro jutnos, a maresia vinha junto pra nos condenar e todos ficaram pirados, uns inclusive até queriam, sei que no final eu acabei dando uma parte pra eles usarem.
Sei que quando subi estava tocando um trance muito maneiro e me deu uma vontade maluca de dançar a noite inteira, mecher todo meu corpo e fazê-lo usar ao som daquela batida...Dei uns passinhos e me despedi da galera, nao podia ficar mais ali, ou então ia acabar falando besteira com mais gente....
Fui caminhando, fumando um cigarro e pensando no dia que eu tive, especialmente na amizade que eu fiz...

yuri rabelo

Um comentário:

fernanda disse...

Melhorou..
Rsrsrs
Bjos