terça-feira, 15 de julho de 2008

Acorda Maria! Levanta Manoel!

Depois de algum tempo sem olhar meu reflexo num espelho ou numa prataria qualquer, volto a partida de onde comecei. O que sinto ao cruzar novamente esse ponto é a mesma sensação de estar me afogando num deserto azul de águas calmas.
E como não tenho paciência, já me transporto para um mundo coberto de cores e sentimentos. Não quero morrer afogado.
Não quero olhar para esse reflexo e ver como o tempo tem mudado as coisas. Quero ainda acreditar em meu mundo de irresponsabilidades e libertinagens.
Quando acalmo, olho para o rodapé no chão, vejo que está bem limpo e sinto o perfume da organização.
Numa ofegada de preocupação misturada com medo, percebo um ponto preto no meio do círculo verde, é um pequeno ponto majestoso que está a me dizer alguma coisa. continuo piamente a olhar a imagem refletida, olho fixamente para a auréola verde com o ponto preto.
Nesse momento, toda história, todos os sorrisos, todos os amores e todas as lágrimas retornam à minha cabeça.
Minha camisa de malha e meu cabelo sujo trazem indícios do pretérito mais que perfeito, das conjugações e das concordâncias da noite anterior.
Toda oração criou uma linda sinfonia fonética.
Mais um dia regado à nostalgia e libertinagem, e com um leve toque de estímulos naturais...


Yuri Rabelo

Um comentário:

leo disse...

grande prazer em vir aqui...
me sinto em casa
parabens novamente