sábado, 27 de outubro de 2007

Descobertas...


Não posso esconder, sinto todo o fogo
A loucura desse novo mundo
Estranho é me sentir autista
Em meio a tantos loucos
Ainda consigo ser o mais certo
Momentos registrados por uma câmera qualquer
Cada segundo, cada sorriso
Tudo gravado por toda eternidade
Enquanto tiro a essência de vocês
Vejo que a minha fica mais escondida
O mundo pára. Aqueles segundos se intensificam.
Multiplicam se por dois

Dois caras.
Duas mulheres.
Dois casais perdidos no meio do nada
Dois bebês olhando para mim me encarando.

Estranho sentir-me dessa forma
Estranho viver as coisas que vivo
E no outro dia achar que tudo foi um sonho
Sexo. Muito sexo.
Libertinagem e luxuria.
Um antro de perdição perdido no meio do mato.
Olho na imagem da mulher loira e vejo alegria
Na mulher castanha vejo conforto
Os sentimentos se confundem
A historia é longa
Eu quero outra pessoa e não essas pessoas
Corrompido sentimento por uma transa qualquer
O sexo aleatório
Delicia. Mas amargo
O amanhã nunca se sabe.
Ainda amo o desconhecido
E ele não me quer.
Prefere se aventurar aos braços de um estranho
Enquanto que nos meus tem todo o amor cotidiano.


Yuri Rabelo

Um comentário:

leo disse...

engraçado a forma em que vc mistura as palavras.
parabens adoro ler seus textos, pena que vc nao tem uma frequencia né?? heheh
abraçao